Sexta Sei: “Amar e mudar as coisas” com Ana Cañas cantando Belchior

Artista vai lançar disco interpretando a obra imortal do cearense em três rounds, o primeiro já está anunciado entre nós

por Fabiano Moreira
sextaseibaixocentro@gmail.com

Fotos: Ariela Bueno

Durante a quarentena, a cantora paulistana Ana Cañas, 40 anos, fez uma live cantando a obra imortal do cearense Belchior, ao lado dos músicos Fabá Jimenez (violão e baixo) e Adriano Grineberg (piano e teclado). A aclamação do público foi tamanha que, um ano depois, os fãs bancaram a gravação de um disco, que chega pra gente em três partes. A primeira delas já está entre nós, com lindo clipe para “Alucinação” e gravações para “Velha Roupa Colorida”, “Galos, Noites e Quintais” e “Na Hora do Almoço”. Mais duas partes chegarão em agosto, com quatro canções, e setembro, com mais cinco.

A capa com arte de Ana Turra e fotos e bordados de Ariela Bueno

No lançamento do primeiro EP, a artista também liberou clipe de “Alucinação”, estrelado pela atriz Maria Casadevall e dirigido por Ariela Bueno, em cenas inspiradas no longa “Persona” de Ingmar Bergman. “Ela é louca por Belchior e a pessoa perfeita para estar neste clipe comigo”, diz a cantora sobre a participação da atriz. Batemos um papo, por e-mail, e falamos sobre o olhar feminino dela e da equipe sobre letras que versam sobre o humano, o existencial e o transcendente e, 50 anos depois, continuam com mensagens atuais e urgentes.

Moreira – O disco foi gravado graças a financiamento coletivo, né? Houve muita pressão do público para o registro dessas canções? Como foi o processo de gravação no meio da pandemia? São os mesmos músicos da live que deu o start no projeto? 

Ana Cañas – Sim, foi um pedido deles feito com muito carinho, e a rede de suporte afetivo e financeiro possibilitou a gravação no meio da pandemia. Gravar o disco foi intenso e difícil, as músicas são complexas, e a reponsabilidade é grande também. Os mesmo músicos que fizeram a live comigo gravaram o disco (Fabá Jimenez no violão e no baixo e Adriano Grineberg no piano e no teclado).

Clipe para “Anunciacão” com Maria Casadevall e Ingmar Bergman

Moreira – É muito interessante essa perspectiva feminina sobre a obra do Belchior, com a escolha de uma diretora, Ariela Bueno, para o clipe e a participação da Maria Casadevall. Tem o bordado também… O que ele fala que é importante para as mulheres? E como foi traçado esse paralelo com “Persona”, de Ingmar Bergman?

Ana Cañas – Sinto que as letras versam sobre o humano, o existencial, o transcendente. O olhar feminino traz uma possibilidade outra das leituras, os versos ganham camadas diferentes. O olhar da Ariela nos clipes é bastante atento à esse tempo interno que dialoga com os ciclos, a sensibilidade e potência feminina. “Persona” surge como referência estética (PB e o espelhamento dual) mas também o assunto do filme que é sobre a relação de duas mulheres fortes decantando a fragilidade e questões inerentes ao gênero.

Live em Julho 2020 que deu origem ao projeto em julho 2020

Moreira – Vi em uma live você falando sobre esse disco em homenagem à obra de Belchior, que viria em partes, já temos as datas das próximas fases e uma lista das músicas? Como foi o processo de escolha das músicas pro projeto? Como serão as próximas narrativas? 

Ana Cañas – Escolhi as músicas que mais me tocam e emocionam. Algumas, grandes sucessos, e outras, lados B, menos conhecidas do grande público. Em agosto, lançamos mais um EP com 4 canções e fechamos em setembro com mais 5 músicas. Essa escolha foi uma sugestão da distribuidora (Believe) e achei válido. Por se tratar de canções complexas, somado ao cenário da pandemia (ainda estamos impossibiltados de fazer shows), acatei à essa idéia – o que nos trouxe a possibilidade também de fazer um clipe a cada lançamento.

Moreira – Belchior esteve esquecido um tempo e, recentemente,  percebe-se um novo culto ao artista, como em “AmarElo”, do Emicida, e, antes, na bela versão de Danilo Moralles para “Sujeito de sorte”. Quais as mensagens dele que são importantes no mundo de hoje? 

Ana Cañas –  São mensagens atemporais, que versam sobre o alicerce do que nos torna humanos. Muitas mensagens são atuais e urgentes, o que é espantoso – algumas canções foram escritas há quase 50 anos! Acho que isso pode qualificar a obra de um verdadeiro gênio: atemporalidade, poesia urgente e assuntos universais.

Moreira – Você tem uma atuação política notória, já viajou cantando com o Lula… Quais frases das músicas de Belchior poderiam estampar cartazes das manifestações contra Bolsonaro hoje?

Ana Cañas –   Inúmeros versos são necessários, mas sem dúvida “Amar e mudar as coisas me interessa mais” é algo que poderíamos escrever em qualquer lugar, a qualquer momento, e faria um sentido enorme – tudo que acredito está nesse verso. Obrigada e um beijo. 🙂

Abaixa que é tiro!💥🔫

Amanhã tem festa! É aniversário 🎂 de um ano da Sexta Sei e, para celebrar, gravamos um especial de aniversário com os artistas Lúdica Música!, direto de Portugal, e Laura Conceição e ACósmica e o menino Gabriel Acaju. A parte juizforana foi toda gravada no Inhamis, com direção de Francis Hempi e captação de som de André Medeiros. Vamos transmitir amanhã (17), dia exato de publicação da primeira coluna, às 20h, no YouTube, no Instagram e no Facebook aqui da firma. O material fica disponível depois.

Fotos: Raval Filmes

Depois do espetáculo que foi Arnaldo Antunes na Galeria Psicoativa Tunga, na abertura do Inhotim em Cena, tem Otto na Estufa Equatorial, sábado (17), às 11h. Em agosto, ainda tem Pedro Luís e Orquestra de Câmara Inhotim na Galeria Cosmococa, dia 14, tudo no mesmo horário.

A Estufa Equatorial é ambiente dedicado ao cultivo de plantas da coleção que precisam de condições controladas de umidade e temperatura. Otto comparou o lugar a um templo de renascimento. “Considero um renascimento meu estar aqui com todo esse verde e, neste momento tão difícil para o Brasil, ficar em meio à ciência e à arte”, disse.

O cantor vai apresentar duas canções inéditas do disco “Canícule Selvagem”, que são “Canícule”, uma homenagem à música francesa, com pegada eletropop, e “Anna”, eletrônica, com participação de Nina Miranda, da icônica banda Smoke City. Imperdível.

Os Replicantes
DeFalla. Foto: Fernada Chemale
Tonho Croco

Depois de 14 meses sem eventos, o tradicional bar roqueiro de Porto Alegre, o Ocidente, bota no ar o Socorro Ocidente Show, hoje (16) e sexta que vem (23), com shows pré-gravados que rolam às 21h e ficarão 48h disponíveis para o público assistir quantas vezes quiser. São mais de 40 apresentações de artistas para levantar fundos para o tradicional point de rock. 

“O lugar é tradicionalíssimo, meio que o rock da cidade nasce no Ocidente, com Replicantes, Cascavelettes, Defalla, todos têm seus primeiros shows nos anos 80 no Ocidente, vamos mostrar imagens de arquivo. É point do rock, mas também da literatura, do teatro, das festas eletrônicas. É um lugar pioneiro, muito plural, tem almoço vegano, um case sem precedentes. Alguns artistas gravamos lá no bar, e outros estão mandando de casa”, me conta meu amigo e DJ Claus Pupp, o MashmyA$S, parceiro da época de Bootie Rio, que está na produção do rolê.

Hoje, tem Wander Wildner, Tonho Crocco, Mari Martínez, Pupilas Dilatadas, Flu, Os The Darma Lóvers, Nei Lisboa e muito mais. Semana que vem (23), a festa continua com Defalla, Replicantes, Frank Jorge (baixista, vocalista e principal compositor da banda que forjou o meu caráter, a Graforréia Xilarmônica), Carlinhos Carneiro, Adriana Deffenti, Jimi Joe, Nei Lisboa e muito mais.

“Amigo Punk”, o clássico da Graforréia

Os ingressos e o line up completo, com atrações de todas as áreas contempladas pelo espaço, estão disponíveis via Sympla e custam de “Amigo Punk” (R$ 20, em homenagem ao clássico da Graforréia) a “Lugar do Caralho”, de pessoas afudê (R$ 80), outro clássico do imaginário roqueiro local de Júpiter Maçã.

“Druk – Mais Uma Rodada”
Caros Camaradas! – Trabalhadores em Luta (Dear Comrades)
Quo Vadis, Aida
Slalom – Até O Limite (Slalom)
O Mauritano (The Mauritanian)
Bela Vingança (Promising Young Woman)
DNA
A Candidata Perfeita (The Perfect Candidate)

O Festival do Rio vai acontecer na plataforma de streaming do Telecine, com 15 filmes em exibição, entre os dias 17 e 31. A cada dia, um filme inédito e exclusivo irá estrear no serviço, às 0h, aonde fica disponível para o play por apenas 24 horas. Aos sábados, o Telecine Cult reexibirá, sempre às 22h, alguns dos principais longas da seleção. A abertura do Festival do Rio no Telecine será com “Druk – Mais Uma Rodada”, vencedor de melhor filme estrangeiro no último Oscar, no sábado (17). 

A programação segue com “Caros Camaradas! – Trabalhadores em Luta (Dear Comrades)” (18), “Slalom – Até O Limite (Slalom)” (19), “O Mauritano (The Mauritanian)” (20), “Edifício Gagarine (Gagarine)” (21), “Quo Vadis, Aida?”(22), “De Volta à Itália (Made In Italy)” (23), “Dias Melhores (Shaonian De Ni)” (24), “Bela Vingança (Promising Young Woman)”(25), “A Boa Esposa (How to be a Good Wife)” (26), “DNA” (27), “Ainda Há Tempo (Falling)” (28), “A Candidata Perfeita (The Perfect Candidate)” (29), “Verão de 85 (Summer of 85)” (30) e “Noite De Reis (La Nuit Des Rois)” (31).

A dica quente são os 30 dias grátis para experimentar o app, o tempo de curtir o festival.

O Grupo Corpo vai liberar quatro de seus espetáculos no YouTube, com direito a bate-papo, sempre às 19h30. O primeiro encontro é hoje (16), com os coreógrafos Rodrigo Pederneiras e Cassi Abranches e o maravilhoso espetáculo “Parabelo”, com música de Tom Zé e José Miguel Wisnik. Serão exibidos os vídeos dos espetáculos “Gira” (13/08), “Bach” (17/09) e “Suíte Branca” (8/10). Perguntas para #grupocorporesponde.

Hoje (16) vai rolar o III Slam Poético da Ágora Virtual, às 18h30, dentro do ​​XII Encontro dos Saberes da Universidades Federal de Viçosa. Com duas violas e percussão, o trio musical formado por Marina Ebbecke, Gabriel Souza e Nayra Jaine apresenta o show “Viola em Contrastes”, hoje (16), às 19h. Às 20h, tem live de Pélico.

Essa semana, o Sesc em Casa traz Di Melo, hoje, e Far from Alaska, amanhã, sempre às 19h. 

No sábado (17), o DJ Jota Januzzi faz edição do seu novo programa “Dreamscapes”, das 19h às 21h, na Function.fm, com transmissão em vídeo, pelo YouTube, e streaming, no Soundcloud

Ainda no sábado, as 20h, os Titãs e o Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica Municipal (OSM) se juntam no Theatro Municipal de São Paulo, em uma apresentação online.

A Orquestra Ouro Preto que eu gosto faz mais um concerto especial com os clássicos que marcaram a história dos Beatles, neste sábado (17), às 20h30, direto da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Sabará, comemorando os 310 anos da cidade.

A goiana Monstro Discos faz o Goiânia Rock City 2021, de hoje a domingo (18), às 19h, com 12 bandas goianas em shows transmitidos ao vivo, direto do Martim Cererê. Entre as bandas, estão Underdog Pack, Burning Rage, Os Indomáveis & Sandoval Shakerman, Rural Killers e Black Drawing Chalks, no sábado (17), e Melodizzy, Blowdrivers, Riso do Abismo,Bad Distortion e The Last Shot, no domingo (18). O evento marca o lançamento de mais uma edição da coletânea Goiânia Rock City, tradição desde 2005. Colaborações são bem-vindas aqui.

Playlist com as novidades musicais da semana. Nesse post, tem todas as playlists do ano.  Aqui tem as playlists de 2020.


Playlist de videoclipes com Luana Carvalho, Lamparina e ÀTØØXXÁ, Mallu Magalhães, Aurora, Arlo Parks, Billie Eilish, BTS, Twenty One Pilots, Wild Robson,  Zeeba, Justin Bieber + The Kid LAROI, Kevinho, Nick, MC Don Juan e Wesley Safadão, Indy Naise + Drik, Kayin + Yunk Vino, Donas do Jogo + Hyperanhas + Azzy + MC Dricka, Potyguara Bardo e Kaya Conky, Adeline, Meu Funeral + Tati Quebra Barraco, OBEY! e +

Sexta Sei, por Fabiano Moreira

Comentários