@andremedeiroslanches declara seu amor botânico em Fitônia

Alegria e embaraço

De onde veio seu amor pelas fitônias?
Acho elas muito bonitas, fortes. 

A letra sugere uma grande observação botânica, existem outras espécies no seu coração?
Mamíferos em geral, principalmente humanos. Plantas eu curto todas, gosto de conversar com gente que entende de verdade do assunto.

capa @aoseualcance

A vontade de ser prosaico tem a ver com sua produção literária (seus textos da Editoura)? Como funciona a composição da melodia quando a letra é uma prosa?
Não sou bom em compor a partir da letra. Fico caçando as palavras pra não desperdiçar a melodia e a sensação. Prosaico nesse caso é mais no sentido de prático, aterrado, atento às coisas pequenas. Nem sempre isso foi fácil pra mim.

Quais sentimentos o projeto @andremedeiroslanches está te proporcionando agora?
Alegria e embaraço.

Plantas são mais legais que as pessoas?
Não. 

O senso comum já absorveu o fato de que as plantas (e as pessoas) se desenvolvem melhor com “música clássica”, compra esse papo ou é coisa de elitista?
Não sei o suficiente pra dizer se é verdade ou não. Mas se for verdade, só significa que a música clássica faz bem pro crescimento de plantas e pessoas. Não que ela seja superior a outros tipos de sons. Que os sons ao redor influenciam profundamente os seres vivos, eu tenho certeza.

Tem uma comparação de valor entre o artista e o agricultor? Será que chegamos no ponto de nos preocuparmos mais com sacas de arroz do que com composições?
Precisamos muito de arroz e feijão. Não precisamos tanto de louros.

Esse universo temático mais bucólico tá em desuso? Tem um quê do Clube da Esquina, um tipo de resgate?
Se estiver em desuso, só pode ser passageiro. Gosto do Clube da Esquina mas não conseguiria chegar perto daquilo nem com patrocínio do Bradesco.

Vem mais lanche?
🙂

Fitônia foi lançada hoje e está disponível nas plataformas e no bandcamp.

Acompanhe

ANDRÉ NO INSTAGRAM ANDRÉ NO BANDCAMP ANDRÉ NO SPOTIFY

Leia também

Comentários