Conheça Márcio Barbosa, um dos maiores arqueólogos da franquia Iron Maiden

por Francis Hempi
revisão: Joe Hanen
fotos: acervo pessoal

Ser fã de Iron Maiden não é a tarefa simples que parece! O Baixo Centro conversou com Márcio Barbosa, um dos maiores seguidores do conjunto no Brasil, sobre colecionismo, headbangers, política, drogas e turismo roqueiro.

Márcio no seu templo sagrado

Superfã é aquela pessoa mais discreta

Quando você se apaixonou pelo Iron Maiden? E como foi a primeira vez
Meu primeiro contato com a banda foi em 2001, quando um primo me mostrou uma fita k7 com várias bandas e me disse que tinha uma música do demônio, hahaha, fiquei curioso com aquilo. Era o The Number of The Beast. Foi amor a primeira ouvida, e, a partir dali, fiquei muito curioso pra conhecer mais daquela banda. Em seguida tive acesso ao recém lançado Ao Vivo no Rock in Rio, e, pronto, a partir dali não parei mais. Porém fui me tornar um colecionador de verdade mesmo apenas alguns anos depois.

O que significa fazer parte de um fã clube? Quais os benefícios? Quais os deveres?
Acho que, hoje, falar que faz parte de um fã clube é mais status. Pelo menos para nós, brasileiros. Pois não é barato fazer parte do fã clube do Iron. Hoje o pagamento anual é 37 libras. Algo que, para a nossa moeda, acaba sendo um pouco alto. Quando você se associa ao fã clube, você recebe uma pasta com uma carteirinha do fã clube, uma revista (são enviadas até 4 revistas anuais e, no natal, um cartão de boas festas), um pin do baixo do Harris e uma carta agradecendo por se tornar membro. Recebe, também, descontos em produtos exclusivos e, sendo associado, você tem acesso antes da venda geral dos ingressos, o que acaba sendo vantajoso. E também para os shows, quem é do fã clube concorre ao First to The Barrier, um sorteio que o staff da banda faz para quem é do fã clube e se inscreve pra determinado show, pra ter acesso ao local do show meia hora antes da abertura dos portões. Isso é bem vantajoso, já que conseguimos ficar na grade. Na última tour eu ganhei 3x. Então, em época de show, é bem vantajoso fazer parte do fã clube. E, por fim, quando faz a renovação anual, você recebe de brinde uma camiseta exclusiva do fã clube. Em relação a deveres, não tem nenhum que se tem que cumprir, mas existe um fórum exclusivo bem bacana para entretenimento.

No universo semântico do Iron Maiden, os temas abordados nas letras, o que mais te encanta?
Os temas históricos. Eu sempre gostei de história. Então deu certinho. E eles se aprofundam nesses assuntos. Tem várias músicas ótimas aí com temas do Egito, dos Maias, Segunda Guerra Mundial, Idade Média, Inquisição. Acaba nos atraindo pra conhecer o passado, inclusive existe um livro do brasileiro Lauro Meller chamado Iron Maiden – Uma Jornada Através da História; que destrincha a letra de vários temas históricos que foram abordados. Muito interessante!

Como identificar um super fã do Iron Maiden?
Eu acho vago pensar dessa forma, de identificar um super fã. Conheço pessoas aí que tem coleções incríveis, conhecem a banda, são amigos dos membros da banda, e, se você olhar, nem se quer mantém um estilo voltado ao rock n´ roll (digo no tamanho do cabelo, vestuário), mas, pra mim, um super fã é aquele que se dedica mesmo a banda, está sempre informado, é humilde em manter uma discussão sadia, está aberto a ouvir os outros e não ser dono da verdade. Geralmente isso acontece com a maturidade. Você, com um poder aquisitivo melhor, tem mais acesso a conteúdos e, inclusive,  a aproximação  da banda, coisas que pra um adolescente são surreais. Superfã é aquela pessoa mais discreta.

 no Chile

Coleção do Márcio

Bangers de computador

Márcio a caráter

Como identificar um poser? 
Hahahahah um assunto que tem que tomar cuidado pra falar. Um poser é aquele que só conhece Fear of the Dark, por exemplo, ou outra mais comercial, e não sabe manter uma conversa em relação a banda. Porém, tem muito cara aí que adora pagar de sabichão, e quer ditar regras, inclusive perguntando coisas surreais tipo: – qual o nome da prima do primeiro baterista da banda? Hhahahahahahaha esses pra mim são os piores. É o banger de computador, que vive ali só colhendo informações pra se achar o cara. Esses são piores que posers.

Você pode fazer um top cinco das suas bandas favoritas?
1. Iron maiden
2. Slayer
3. Sepultura
4. Black Sabbath/Ozzy Osbourne
5. Ghost

Qual a melhor formação do Iron?
A melhor formação pra mim é a entre 83 e 88, entre os álbuns Piece of Mind e o Seventh Son of a Seventh Son. Alí, eles estavam muito inspirados e foi um álbum clássico atrás do outro. A formação era: Bruce Dickinson – vocais, Dave Murray – guitarra, Adrian Smith – guitarra, Steve Harris – baixo, Nicko McBrain – bateria.

com o batera, Nicko McBrain

com o guitarrista, Adrian Smith

com o vocal, Bruce Dickinson

Se eu fosse um tira querendo me passar por um fã de Iron Maiden, quais seriam seus conselhos?
Hahaha essa do tira foi boa, vamos lá: primeiro conhecer os nomes dos integrantes, pelo menos, e saber que existe um mascote chamado Eddie, que estampa tudo da banda. Indicaria conhecer o material clássico da banda, The Number of the Beast, Powerslave, Fear of the Dark. Já é um começo pra se enturmar sem se aprofundar, já dá pra bater um papo com os fãs e se infiltrar no meio hahaha.

O que cada vocalista agregou na banda?
No meu ponto de vista, sobre os três vocalistas que gravaram discos: Paul Di’anno veio de uma cena mais punk, ele gosta do estilo, por mais que Harris queria combater, Di’anno trouxe agressividade e velocidade a banda. Bruce Dickinson foi a cereja do bolo, isso é incontestável, seu vocal caiu como uma luva na banda, mais lírico, com notas mais altas, o que elevou o padrão da banda. Blaze, por mais que muitos metam o pau nele, ele segurou um rojão, teve dificuldades com as notas mais altas, mas os álbuns feitos pra ele cantar num tom mais grave ficaram bons. Ele conseguiu fazer a banda trabalhar em músicas um pouco mais lentas (nem tanto assim), onde exploram o timbre mais grave, fazendo canções com uma atmosfera mais sombria.

Quando eu era criança eu comprei o The X-Factor pela capa e acho que foi uma péssima primeira vez. Você pode me dizer por quê?
Realmente o The X Factor não é um álbum para iniciantes, inclusive, ele é um álbum não compreendido até hoje por muitos fãs. Eu, particularmente, adoro a atmosfera sombria que ele passa. Nessa época, o Bruce tinha acabado de sair, Harris tinha perdido o pai e estava se divorciando, então, acaba sendo um álbum mais pesado em suas composições. O Blaze tem uma ótima carreira solo, mas, infelizmente, no Iron Maiden ele não conseguiu ter a mesma versatilidade,  e não agradou nem os fãs naquela época, quiçá os mais novos. Se eu fosse recomendar um álbum pra começar com o Iron Maiden, eu recomendaria o The Number of The Beast.

Steve, sou eu, Márcio

Não sou capaz de mensurar a grandiosidade

Tenho a impressão que o metal é mais “sagrado” que outros estilos, faz sentido?
Iron Maiden is my religion, hahahahah. Sem dúvidas o metal tem dessas sim, existe essa devoção, esse culto ao estilo. É uma atmosfera que prende o ouvinte/telespectador e inúmeras bandas são cultuadas como deuses. Black Sabbath, Iron Maiden, Metallica, AC/DC e tantos outros nomes, têm fãs devotos, que fazem de tudo pela banda, agindo como uma religião.

Quais suas maiores conquistas?
Minha maior conquista foi conhecer o Steve Harris, um gentleman. E, claro, acabei conhecendo os outros integrantes, mas conhecer o Harris foi minha maior conquista sem dúvidas.

Quais foi a maior loucura que você já fez pela banda?
A maior loucura foi seguir a banda na tour sul americana, em 2019. Ali, eu tive um contato próximo com os músicos. Vi todos eles, como pessoas normais, viajei no mesmo vôo que a equipe da banda, inclusive, sentado do lado do tecladista, Michael Kenney, que também é roadie do Harris. Ali, foi uma experiência que eu entrei de cabeça no mundo da banda, conhecendo fãs do mundo todo e tenho contato até hoje. Ver os ídolos de perto, fora do palco, em situações inusitadas… Acho que essa foi a maior loucura que eu fiz.

Você tem alguma relíquia, um artefato exclusivo?
Minha relíquia, meu santo graal, é a munhequeira do Steve Harris que peguei no último show da tour em 2019, em Santiago, no Chile. Esse é aquele ítem que não tem preço. Ainda mais porque, até o momento, essa é a última munhequeira que o Harris jogou para o público, então até ter um novo show da banda, eu sou dono da última munhequeira dele. Hahahaha.

Você é capaz de mensurar sua coleção? 
Não sou capaz de mensurar a grandiosidade. Tenho tudo registrado, mas são muitos itens. Colecionar Iron Maiden não é para amadores hahahahah. Camisetas, bonecos, cds, lps, cerveja e por aí vai. Cada fã tem um foco e não dá pra acompanhar tudo. Ainda bem que não sou fã do Kiss kkkkkkkk. Tento adquirir um ítem da banda, sempre que possível. Inclusive conheço pessoas que tem coleções 20x maiores que a minha. É algo surreal.

Márcio exibe o Santo Graal

Ficar na grade não é para amadores

Márcio onipresente

Fale sobre suas aparições nos vídeos oficiais.
Que eu me lembre foram quatro aparições. Todas breves. Mas ter minha imagem associada a imagem da banda é surreal. Também já apareci no site oficial e em postagem da banda em outras 4 oportunidades também. A foto de capa do site por um longo tempo mostrou a foto do show de Santiago. E lá está eu bem na frente haha. Os vídeos foram um pelo show da Argentina, que inclusive me deram um puta close no meu rosto haha, um no show do Chile, outro foi um vídeo oficial de agradecimento da tour de 2016, apareço bem rápido e apareço algumas vezes durante o show do Iron Maiden no Wacken, na Alemanha, em 2016. Esse que eu considero meu show mais importante da banda.

O Iron Maiden não é uma banda associada ao abuso de drogas, acha que isso corrobora para a parcela fanática dos “pais de família”?
A questão de o Iron Maiden não fazer apologia ou mostrar de forma descarada coisas relacionadas à drogas não quer dizer que nunca ouve problemas com drogas na banda. São humanos, não são perfeitos. O que faz o Iron Maiden manter essa linha “limpa” é o dono da banda, Steve Harris, que sempre teve uma visão. Ali é uma empresa, e ele sempre administrou dessa forma, traçando objetivos e os realizando, e, essa imagem da banda, não associada a coisas ilícitas, ajuda, sim, a conseguir algumas coisas. Tanto que, hoje, quantos músicos dizem se arrepender do consumo descarado de drogas que mancharam suas carreiras? Agora, associar a imagem a pais de família eu acho vago. Claro que se você apresentar uma banda que não faz apologia a abuso de substâncias ao seu filho é muito melhor que mostrar uma banda banda grunge ou punk, por exemplo, se acabando na heroína hahaha. Vai dá escolha de cada indivíduo optar pelo que quer, mas a imagem mais sóbria da banda, focada na música e não na atitude do músico, corrobora sim.

O Iron Maiden tem alguma posição ou causa política, tipo o U2?
O Iron Maiden é uma banda muito reservada, em diversos sentidos, então desconheço algum posicionamento da banda nos dias atuais. No início da carreira, eram críticos ferrenhos da Margareth Tatcher, que, inclusive, aparece  sendo morta pelo Eddie, na capa do single Sanctuary. Nos anos 90, na capa de de Quick or be Dead eles se mostram contrários aos políticos com Eddie matando um político. Porém a banda tem causa humanitária, que é o caso do Clive Aid, onde arrecadam fundos para tratamento de esclerose múltipla.

Você conhece algum ex-fã ? alguém que se decepcionou e decidiu abandonar o vício?
Primeiro que não vejo isso como um vício, porque não destrói vidas ou famílias haha. Ser apaixonado pela música e imergir naquilo que gosta não é um vício a meu ver. Enfim, não. Um ex fã do Iron eu não conheço. Existem aqueles que com o tempo se afastam naturalmente de alguma banda, como, por exemplo, eu com o Metallica, eu não escuto mais, mas já ouvi bastante. Agora, um ex headbanger que se converteu pra alguma religião, eu conheço alguns.

Comentários